A Aldeia Numaboa ancestral ainda está disponível para visitação. É a versão mais antiga da Aldeia que eu não quis simplesmente descartar depois de mais de 10 milhões de pageviews. Como diz a Sirley, nossa cozinheira e filósofa de plantão: "Misericórdia, ai que dó!"

Se você tiver curiosidade, o endereço é numaboa.net.br.

Leia mais...

Laboratórios Texto não categorizado

Artigos avulsos.

Rodin

(0 votos, média de 5) 

Hoje François-Auguste-René Rodin (1840-1917) faria 172 anos. Ontem fiz 64 e fiquei espantada que, há mais de cem anos, um dos maiores escultores da humanidade tenha produzido esculturas de tamanho impacto e à revelia dos costumes da sua época que ainda hoje são consideradas mais do que atuais - tornaram-se ícones da expressão do século 20 e continuam impávidas neste século 21. Se você continuar lendo este texto, garanto que identificará imediatamente quem estou falando.

Leia mais...

Informática da Aldeia

(256 votos, média 4.51 de 5) 

A Informática da Aldeia é um dos setores mais visitados do site. Os assuntos abordados são os mais diversos, com informações para todos os níveis de conhecimento. Para facilitar a vida dos usuários, os textos são identificados através de um "termômetro de dificuldade" em cinco categorias:

  1. Leigo Leigos
  2. Iniciante Iniciantes
  3. Intermediário Intermediário
  4. Avançado Avançado
  5. Maluco beleza Maluco beleza

Alguns tópicos são muito quentes wink, motivo pelo qual estão disponíveis apenas para usuários registrados.

Os principais temas deste setor são Linux, Programação, Segurança e Tutoriais. Os interessados em temas polêmicos, como a engenharia reversa, encontram farto material no Laboratório.

A maioria dos artigos são da minha autoria. Alguns deles são traduções e, nestes casos, vocês encontram a referência do autor e o link para o artigo original - só não posso garantir que o link esteja ativo porque os autores costumam desativá-los depois de algum tempo.

Existem alguns colaboradores que enviam seus textos para serem publicados aqui na Aldeia. Nestes casos, os créditos de autoria são respeitados e, geralmente, coloco agradecimentos no final do texto. Aproveito esta introdução para reiterar que a Aldeia está aberta a todos os interessados em divulgar seus trabalhos lembrando que a filosofia é INFORMAÇÃO LIVRE! Não existe qualquer cobrança de taxa, como também não existe qualquer tipo de remuneração. Coloco a Aldeia à disposição para compartilhar conhecimento.

A todos, um grande abraço

vovo vovó Vicki

Leia mais...

Quem é a vovó Vicki

(203 votos, média 4.71 de 5) 

Meu nome é Viktoria Tkotz. Sou médica, formada em 1974 pela Escola Paulista de Medicina, hoje Universidade Federal de São Paulo, na cidade de São Paulo, Brasil. Nasci em Cambé, Paraná, Brasil, descendente de alemães procedentes de Danzig (hoje Gdansk, Polônia), pioneiros que chegaram para desbravar o Norte do Paraná em 1932. Atualmente na quinta geração, nossa família continua morando e trabalhando em Cambé e, juntamente com outros pioneiros, somos conhecidos como "pés vermelhos" (basta andar descalço na nossa terra roxa para entender por quê).

Sempre me interessei por línguas, tanto as atuais quanto as antigas. Falo fluentemente ou arranho alguns dos idiomas atuais e há alguns anos dedico-me ao Kanji (ideogramas da escrita chinesa e japonesa) e ao estudo das peculiaridades da origem e da evolução das inúmeras línguas existentes no nosso planeta. Interessam-me sobremaneira as expressões idiomáticas e a origem das palavras, indicativas do temperamento e da personalidade dos mais diversos grupamentos humanos.

A criptologia não está longe da língua falada e escrita. Dedico-me a este tema há alguns anos como pesquisadora independente, mas foi somente em 2002 que resolvi publicar alguns textos sobre o assunto na Internet. O interesse demonstrado foi surpreendente desde o início da publicação, motivo pelo qual até hoje continuo ampliando a seção de criptologia do meu site, a Aldeia Numaboa.

Em maio de 2005 publiquei o livro Criptografia - Segredos Embalados para Viagem pela Novatec Editora (ISBN 85-7522-071-3) e sinto-me honrada pela excelente aceitação atestada pela vendagem e pelos inúmeros contatos que meus leitores fizeram e continuam fazendo.

Atualmente é praticamente impossível dissociar a criptologia da informática, outro assunto pelo qual tenho grande interesse e que faz parte do meu trabalho atualmente. Meu interesse e dedicação à informática são muito antigos - cheguei a "brigar" com cartões perfurados num enorme computador na época de faculdade. Naquele tempo o termo informática não existia (usávamos o termo cibernética), o PC estava para ser inventado, rede só era usada para dormir ou para pescar, telefone era aparelho de luxo, não existiam relógios digitais, as calculadoras eram mecânicas e por aí vai. Esta era a panorâmica dos anos 70.

Quando apareceu o primeiro computador pessoal no Brasil, fui uma das primeiras a adquirir um. A máquina, uma caixinha com um teclado chiclete que usava uma TV comum como monitor, tinha um processador de 8 bits e possuía incríveis 1 Kb de memória (é isso mesmo, inteiros 1024 bytes de memória!). Era um Sinclair, nome do engenheiro inglês que o construíu e comercializou.

Infelizmente não tenho mais este Sinclair porque, depois de alguns meses de experiências, desmontei o brinquedinho para ver como era feito e resolvi montar minhas próprias máquinas. Meus computadores não ganharam nomes (eram todos pagãos), mas funcionavam muito bem e tinham muito mais memória wink Ato contínuo resolvi aprender Basic e Assembly, as únicas linguagens disponíveis na época para os mortais comuns. A programação era literalmente feita "na unha" e eu digitava os valores hexa dos opcodes!

A descrição parece ser a de uma época jurássica, mas corresponde ao início da explosão da tecnologia digital. Esta atividade, inicialmente encarada como hobby, foi e continua sendo muito divertida. Então, pensei cá comigo, porque não publicar na Internet e dividir tudo com todos numa boa?

Com o tempo, o site Aldeia Numaboa tornou-se um projeto pessoal de cidadania embasado na filosofia da informação livre para todos. Escrevi e vou continuar escrevendo a grande maioria dos textos, o que significa que, os assinados por mim, são de minha inteira responsabilidade. Além disto, a Aldeia é um espaço aberto para colaboradores - se você tiver interesse em publicar algum artigo, basta entrar em contato - e aproveito a oportunidade para agradecer a todos os "numaboetas" de carteirinha que já contribuíram com seu trabalho e ajudaram a carregar a bandeira da informação livre. A Aldeia Numaboa está no ar desde 1998 sem veicular nenhum tipo de propaganda (e deve continuar assim), não tem fins lucrativos e apoia integralmente qualquer movimento ou projeto que se enquadre na sua filosofia básica: liberdade de expressão, imprensa livre, software livre, software de código aberto, etc e tal.

Os tutoriais, textos e artigos sobre o mundo da informática, linguagens de programação, sistemas operacionais e de rede (incluindo-se aí a Internet) são produto de mais de 25 anos de pesquisas e estudos. Baseiam-se na minha experiência pessoal e nas informações acumuladas através da leitura de muito material especializado. Estes trabalhos são anteriores aos textos sobre criptologia mas, sem dúvida alguma, se complementam. Criptologia, Informática e Comunicação são assuntos importantes no contexto atual. Como devem ser tratados com seriedade extrema, as fontes de referência são de importância vital. Foram escolhidas com o devido cuidado e, quando utilizadas, sempre acompanham o texto correspondente.

Aproveitando o embalo deste abautimí e também porque esta pergunta já me foi feita um sem número de vezes, quero explicar por que assino meu trabalho com vovó Vicki. É que tenho seis netos (nem preciso dizer que são umas gracinhas e meus amores) e a criançada fica feliz quando vê o nome da vó em páginas da Internet... smile

Bão, pessoal, é isto aí. Esta é a vovó Vicki e, como sempre

A todos um grande abraço

vovo

Leia mais...

Informações adicionais